sábado, 22 de agosto de 2009

Anistia:ampla, geral e irrestrita

Nos próximos dias 28, 29 e 30 vai ser comemorado os 30 anos da anistia no Brasil, após a ditadura. O historiador Oswaldo Munteal, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), disse em entrevista à Agência Brasil “temos que refletir e não que comemorar”. Disse também que o processo da Anistia segue em aberto e que é consenso a ideia de que há muito a refletir, sobretudo no que diz respeito aos torturadores.
“Essa retomada dos escombros da ditadura é fundamental para que a gente, inclusive, mostre para as gerações que estão aí o saldo devedor”.Citando o compositor Chico Buarque de Hollanda, o historiador afirmou que “a ditadura emburreceu o Brasil".E acrescentou:“e também provocou amnésia política na população”. Segundo ele, o período da ditadura militar, conhecido como os “anos de chumbo” ainda é pouco conhecido no Brasil.
Cenas da Anistia
Leonel Brizola chegando do exílio e sendo cumprimentados pelos amigos.

JK e a esposa D. Sara voltando do exílio.

Prestem atenção na letra emblemática execrando todas as mazelas de uma vergonhosa ditadura de 21 anos,que fez o nosso país retroagir em todos os aspectos -social,político e econômico.uma relíquia musical para a eternidade.

2 comentários:

Jacques disse...

Miriam, te indiquei ao selo "Vale a Pena Ficar de Olho Nesse Blog". Dê uma passada lá. Beijos.

Ygor Moretti Fiorante disse...

Parabens pelo selo Mirim eu tb fui indicado rsss, e adorei o post, recentemente revi o filme Batismo de sangue, e me pergunto de onde vem tanta vontade dos federais, por que os combatentes tem uma motivação ideologica e os "policiais" aqueles "paus mandados" (desculpe o termo) de onde vem a motivação deles ja que por aqui exceto por quem decidiu lutar pelos seus direitos ou quem era diretamente beneficiado pela ditadura, o resto é uma massa até hj apolitica.


abraço!!!