quarta-feira, 16 de abril de 2008

Esse livro eu tive muita vontade de ler:O Apanhador no Campo de Centeio, de J.D. Salinger


É possível que você nunca tenha lido O Apanhador. Porém, se você tem um mínimo de "antenidade" com o mundo, talvez já tenha ouvido falar deste livro no cinema, em jornal, revistas ou em outros livros. O fato é que este romance de 1951 virou lenda ao longo dos anos, e fez de seu autor, Jerome David Salinger, um dos maiores mistérios da história recente da literatura. A pequena revolução que O Apanhador causou no comportamento da juventude americana e do mundo, ecoa até hoje, fazendo parte da cultura da segunda metade do século XX.

Uma das notas tristes na "biografia" da obra é que o livro teria inspirado o maluco Mark Chapman a cometer o ato que o tornou famoso - assassinar John Lennon, em 1980. Hoje, Chapman recusa a liberdade condicional por medo das ameaças de morte.
Quando tudo isto ocorreu e fiquei sabendo da influência deste livro na decisão do assassino, quis lê-lo. Não foi fácil consegui-lo porque aqui no Brasil ele não era tão conhecido. Li-o rapidamente procurando fazer uma análise das causas desta influência. A conclusão que cheguei é que o autor somente fala da rebeldia do protagonista, mas em nenhum momento se refere a assassinatos de pessoas famosas ou não. Embora seja um hino da revolta juvenil, O apanhador no campo de centeio também é lido por marmanjos. Não é preciso ser jovem para identificar-se com o anti-herói, rebelado contra a sociedade. Em nenhum momento, contudo, o livro de Salinger faz apologia à violência ou ao ódio. O tema da rebeldia não justifica qualquer crime, ao contrário do que entendeu o assassino de Lennon. Ele levou ao pé da letra as revoltas passageiras do personagem, das quais o próprio se arrependeria. Ao contrário do criminoso, Caulfield não sofria de esquizofrenia e qualquer doença mental. Apesar de Chapman ter culpado parte do romance pelo sangue derramado, a rebeldia inaugurada na narrativa de Salinger está longe de estimular a barbárie. Logo após a morte de Lennon, as vendas do clássico dispararam, até firmar-se como best-seller e leitura obrigatória. Todo mundo queria saber quem era Holden Caulfield. O que tinha de tão curioso a ponto de inspirar um assassino?
Outro uso misterioso da obra foi no filme Teoria da Conspiração, em uma referência a Chapman traz Mel Gibson no papel de um lunático que compra todas as cópias de O Apanhador... que consegue encontrar, sem nunca ter lido o livro.
Salinger, ao escrever, não imaginava o estrondoso sucesso que viria. Se soubesse, talvez não tivesse sido capaz de criar um romance tão despretencioso e modestamente banal. Até porque levou uma vida semelhante a de seu personagem, anti-social. A narração em primeira pessoa é repleta de gírias e expressões jovens. É assim que o personagem vomita sua inocência. Embora transcorrido nos anos 50, o romance parece não ter época. Poderia ser adaptado para qualquer década posterior. A ausência de sinais do passado, exceto por uma máquina de escrever, evidencia que o romance não envelheceu como ocorre com os clássicos estabelecidos.

Depois de vender 15 milhões de exemplares e virar uma celebridade mundial, Salinger, tímido e modesto em relação a seu talento, isolou-se em uma casa no topo de uma montanha, em uma cidadezinha de mil habitantes. Diminuiu o ritmo do seu trabalho e afinal cortou qualquer contato com a mídia. Não concede entrevistas, não se deixa fotografar e nunca permitiu que nenhum dos seus livros fosse adaptado para o cinema.

2 comentários:

Rodrigo Fernandes disse...

Já tinha ouvido falar desse livro há um tempo átras, mas até então não tinha lido nada sobre ele...
muito interessante.
Vem por aí um filme sobre o Chapman, vais er com o Jared Leto, mas nem sei qdo vai estreiar, deve com certeza fazer referencia ao livro...
ótima dica de leitura, só espero que não tenha mais loucos por aí com os mesmo pensamentos do tal Chapman. Eu acredito que não tenha influenciado coisa alguma o cara ter matado o Lennon, ele ja´deveria ter um desequilibrio anterior pra planejar tal ato, o livro foi só um "empurrãozinho" que ele deve ter encontrado e uma desculpa para cometer tal atrocidade.. é uma epna existirem pessoas com tanta limitação.. é a mesma coisa do polemico "CLube da luta" odne mutios jovens repetiram os ator do Brad pitt no filme... ou agora com "Tropa de elite" ... é uam pena que a humanidade tenha gerado seres tão limitados...
beijos

Pedro Henrique disse...

Quero muito ler esse livro, mas passo pelo mesmo problema que você passou, não encontro o livro.