terça-feira, 17 de junho de 2008

O mestre: Sebastião Salgado

Estou desenvolvendo um projeto no PDE (Programa de Desenvolvimento Educacional) sobre Literatura e Semiótica. Trabalho com o tema da fome, a partir do poema "O Bicho", de Manuel Bandeira.Pesquisando sobre o tema encontrei as fotografias de Sebastião Salgado. Em 1973, quando ele ainda exercia sua antiga profissão de economista, vislumbrou na seca de Sahel, na África, um grande potencial de denúncia por meio de imagens, que revolucionou o fotojornalismo europeu. Já recebeu os prêmios mais importantes concedidos ao fotojornalismo, entre eles o de Melhor Repórter Fotográfico do Ano, oferecido pelo International Center of Photography de Nova York, e o Grand Prix da Cidade de Paris. A visibilidade adquirida por Sebastião Salgado e alguns outros fotógrafos na imprensa nacional e internacional tem contribuído para um olhar diferenciado sobre esses fenômenos sociais. Nas palavras de Eduardo Galeano:
"Os retratos de Salgado oferecem um retrato múltiplo da dor humana. Ao mesmo tempo, convidam-nos a celebrar a dignidade humana. São de uma franqueza brutal essas imagens de fome e de pena, e, no entanto, têm respeito e pudor. Nada a ver com o turismo da miséria..."
Vale a pena observar os detalhes e não há como não sentir-se sensibilizado.




Site de Sebastião Salgado:

2 comentários:

Rodrigo Fernandes disse...

Muitos falam que ele usa das desgraças humanas para beneficio proprio.. acho isso uma critica absurda, já que ele faz o que muitos tem vergonha de mostrar:a realidade humana e para onde estamos caminhando...
suas imagens são fortes, incomodam muitas vezes, mas são necessárias.. só acho que quem deveria ver essas fotos e se sensibilizar com elas, não a faz!
Beijos, Miriam!

Pedro Henrique disse...

Nossa....faço das palavras do Rodrigo as minhas. Apóio seu projeto, Miriam.

Uma foto dessas é um soco no estômago...

Até mais!