sexta-feira, 6 de junho de 2008

BAR - IVAN ÂNGELO

Estou na fase final do curso MOODLE. E a cada etapa pela qual passei, pude constatar o entusiasmo que esta minha profissão provoca. Várias vezes, fiquei emocionada durante as leituras dos fóruns e dos diários, onde os professores posicionavam-se com muita propriedade. Mas em nenhuma vez fiquei tão emocionada e ao mesmo tempo tão chocada com o estranhamento que me provocou quando um desses professores apresentou-me um plano de trabalho rizomático envolvendo este conto, ao qual eu ainda não havia lido. Era de manhã, quando acessei o curso e me deparei com a mensagem do professor, que estava enviando-me o conto completo. Li-o vagarosamente, e ao mesmo tempo prevendo o pior desfecho para aquela narrativa. Achei-o forte, denso, mas pensei: é isto mesmo que nós, professores, temos que passar para os alunos. A literatura tem que nos provocar este desespero, porque para alguns isto não é ficção... E só pela literatura podemos tornar nossos jovens mais humanos.
Gostaria que você também tivesse esses mesmos sentimentos que eu tive, lendo o conto completo:

2 comentários:

Pedro Henrique disse...

Que olho hein?

Também não tinha lido o conto, aliás, tenho que voltar a fazer isso (ler contos) com mais frequência.

Rodrigo Fernandes disse...

Olá moça, como vai? Andamos sumidos, não?

Muito boa a citação ao Ivan Ângelo. Grande contista e cronista, infelizmente ainda pouco (re)conhecido aqui nas terras brasilis.Gosto muito.

No mais, bom saber que está lendo Cem Anos de Solidão.Quando me pedem uma indicação de livro sempre indico Cem Anos. Pra mim, o livro mais incrível jamais escrito.

Divirta-se!

Abraços:
Rodrigo Fernandes