terça-feira, 8 de dezembro de 2009

O Père Lachaise: O Cemitério das celebridades

O cemitério do Père-Lachaise é o maior cemitério de Paris e um dos mais famosos do mundo, tornado-se um dos  ponto turístico mais visitados da cidade. A fama é merecida. Enterradas entre as mais de 70 mil sepulturas estão personalidades como o roqueiro Jim Morrison (1943-1971), os escritores La Fontaine (1621-1695), Molière (1622-1673), Honoré de Balzac (1799-1850) e Oscar Wilde (1854-1900), o músico Frédéric Chopin (1810-1849), o espírita Allan Kardec (1804-1869) e Marcel Proust (1871-1922).
Algumas Celebridades:




La Fontaine (1621-1695)
Francês de origem burguesa, nascido na região de Champagne, foi autor de contos, poemas, máximas, mas com as fábulas ganhou notoriedade mundial, resgatando fábulas do grego Esopo (século VI a. C.) e do romano Fedro (século I d. C.).


Molière (1622-1673)

Gênio da literatura francesa e universal, foi um dramaturgo, além de ator e encenador, considerado um dos mestres da comédia satírica. Teve um papel de destaque na dramaturgia francesa, até então muito dependente da temática da mitologia grega, Molière usou suas obras para criticar os costumes da época.





Allan Kardec (1804-1869)
Antes de se tornar precursor do espiritismo, Hippolyte Léon Rivail era um grande intelectual e educador. Seu túmulo é em forma de dólmen - monumento que parece um grande portal de pedras - e está sempre repleto de flores e velas.






Oscar Wilde (1854-1900)
O escritor e dramaturgo irlandês, autor de O Retrato de Dorian Gray, teve um final de vida trágico. Em 1895, ele foi condenado a dois anos de prisão, acusado de sodomia. Após ser solto, viajou para Paris, onde morreu três anos depois. Seu túmulo tem um anjo que ostentava um grande membro. Dizem que o pênis da escultura foi roubado por um funcionário do cemitério, que o usava como peso para papel...É um dos túmulos mais visitados.


Frédéric Chopin (1810-1849)
O maior compositor do romantismo - cujo nome de batismo era Fryderyk Franciszek Szopen - nasceu na Polônia e se mudou para Paris em 1830. Chopin sofria de tuberculose e morreu muito jovem, aos 39 anos. Em seu túmulo, a escultura de uma jovem musa lamenta o destino do compositor.




Abelardo e Heloísa (1079-1142) (1101-1164)
O túmulo do casal, protagonista de uma famosa história de amor medieval, foi transferido para o Père Lachaise em 1817. Abelardo era um padre e filósofo que foi contratado pelo tutor da jovem Heloísa para educá-la. Entre um texto e outro, os dois se apaixonaram e tiveram um filho. O tutor não gostou e mandou castrar Abelardo. O casal só se uniu novamente após a morte de Heloísa, que foi enterrada ao lado do amado.



Jim Morrison (1943-1971)
Jim Morrison, líder do Doors, banda americana de rock dos anos 60, foi encontrado morto na banheira de seu apartamento em Paris e foi enterrado nessa cidade mesmo. Seu túmulo virou local de peregrinação: estima-se que 1 milhão de pessoas passem por ele a cada ano.




Édith Piaf

Nasceu em Paris, França no dia 19 de dezembro de 1915 e faleceu em Grasse, França no dia 10 de outubro de 1963. Foi uma cantora francesa de música de salão e variedades, mas foi reconhecida internacionalmente pelo seu talento no estilo francês da chanson. Seu canto expressava claramente sua trágica história de vida.


Não é à toa que este é um dos mais visitados pontos turísticos de Paris. O que mais me impressionou foi o túmulo de Oscar Wilde, porque além de ser um dos mais visitados está cheio de marcas de beijos.
Aliás, o turismo cemiterial está presente em várias capitais do mundo, e este é um dos lugares que nunca lembramos de visitar. Aqui mesmo, no Brasil temos belos cemitérios, com monumentos tumulares, e mausoléus  que além de belos tem muita história para contar. Basta deixar o preconceito de lado e render-se à beleza dessas galerias de arte a céu aberto.

Uma dica legal: É  interessante observar os epitáfios,  frases escritas sobre os túmulos,  que constituem elogios fúnebres e aparecem em prosa ou em verso (geralmente, quadra). Referem-se ao amor, à saudade, à esperança, ao consolo, à tristeza ou à revolta.
Fonte: Mundo estranho Fotos: Ezerberus

3 comentários:

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Um cemitério... "cultural"...

LIDIA MEIRELES disse...

Vamos la desmistificar de vez esta morte do compositor e cantor,Jim Morrisan!
Que a versão oficial é essa,ja todos nos sabemos...mas,dai à realidade,a distancia parece ser bastante grande!
Por isso acabemos la com as falsas versões,ou as chamadas versões oficias...creio que quem teve oportunidade de ter um pouco de conhecimento da personalidade do famoso cantor,Jim morrisan,sabe que foi contra precisamente esse tipo de estereotipos,que ele lutou!
Essa versão nunca foi de Jim Morrisan...mas sim da sua companheira,Pamela...e,como nada do que ela disse,foi coerente...dai o mistério do Jim enterrado,so visto por ela,e por um médico que simplesmente desapareceu do mapa da terra...até apetece perguntar:- acaso existiu algum médico?
Pamela,também ja partiu...espero que tenha partido com a consciencia tranquila...ca tenho as minhas duvidas!!!
Em relação ao cantor Jim Morrisan...creio que ele agradecia-nos,que parassamos com mentiras...ainda que sejam oficialmente inventadas pela sua companheira Pamela!
Sempre gostei de uma frase,(entre muitas),do Jim morrisan:-"GOSTO DE UMA PESSOA QUE TEM ALMA NO ROSTO".
Faço-lhe jus absoluto!!!

Miriam disse...

Lidia, assisti um documentário na sky, não me lembro o canal e explicou toda versão correta da morte de Jim Morrisan. Chegaram até entrevistar seu pai,mas ninguém conseguiu provas. É uma pena!
Obrigada pela visita!