sábado, 5 de setembro de 2009

Nel mezzo del camim...


Nel mezzo del cammin

Dante Alighieri

INFERNO

CANTO I (trecho inicial)

No meio do caminho desta vida
me vi perdido numa selva
escura,
solitário, sem sol e sem saída.
Ah, como armar no ar uma
figura
desta selva selvagem, dura,
forte,
que, só de eu a pensar, me
desfigura?
É quase tão amargo como a
morte;
mas para expor o bem que
encontrei,
outros dados darei da minha
sorte.
Não me recordo ao certo como
entrei,
tomado de uma sonolência
estranha,
quando a vera vereda abandonei.
(...)


Nel mezzo del camim...

Olavo Bilac

Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada
E triste, e triste e fatigado eu vinha.
Tinhas a alma de sonhos povoada,
E alma de sonhos povoada eu tinha...
E paramos de súbito na estrada
Da vida: longos anos, presa à minha
A tua mão, a vista deslumbrada
Tive da luz que teu olhar continha

Hoje segues de novo... Na partida
Nem o pranto os teus olhos umedece,
Nem te comove a dor da despedida.

E eu, solitário, volto a face, e tremo,
Vendo o teu vulto que desaparece
Na extrema curva do caminho extremo.


No meio do caminho

Carlos Drummond de Andrade

No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.
Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.
Intertextualidade é uma forma de dialogia entre os textos. Esse diálogo pressupõe um universo cultural muito amplo e complexo, pois implica na identificação e no reconhecimento de remissões a obras ou a trechos mais ou menos conhecidos. Dependendo da situação, a intertextualidade tem funções diferentes que dependem dos textos/ contextos em que ela é inserida.
Evidentemente, a intertextualidade está ligada ao “conhecimento de mundo”, que deve ser compartilhado, ou seja, comum ao produtor e ao receptor de textos.
Um mesmo escritor pode reler-se, utilizando-se de textos que ele mesmo escreveu, o que resulta numa espécie de intratextualidade. Carlos Drummond de Andrade, por exemplo, retoma seu conhecido texto No meio do caminho, para escrever Consideração do poema:

Uma pedra no meio do caminho
ou apenas um rastro, não importa.
Estes poetas são meus. De todo o orgulho,
de toda a precisão se incorporaram
Ao fatal meu lado esquerdo. Furto a Vinicius
sua mais límpida elegia. Bebo em Murilo.
Que Neruda me dê sua gravata
chamejante.
Me perco em Apollinaire.
Adeus Maiakóvski.

(ANDRADE, 1978, p. 75)

Desvenda-se o mecanismo intertextual, na medida em que além de referir-se a si mesmo, o poeta confessa o furto que faz a outros poetas, incorporando-os duplamente em seu acervo.

Bilac (faleceu em 1918) , que era parnasiano, aproveita do poema "Divina Comédia"(Dante Alighieri - faleceu em 1321). Esse poema volta reciclado e cai no gosto popular com o modernista Carlos Drummond de Andrade, "No meio do Caminho".

3 comentários:

Ygor Moretti Fiorante disse...

ótimo Post, nossa não sabia disso sobre o tão conhecido e repetido e lido No meio do caminho, do Drummund, parabens pelo post, ta ai uma grande ideia para um daqueles videos que fiz.

abraço!!!

Doralice Araújo disse...

Colega professora: encontrei bons motivos para recomendar a leitura da sua página. Receba o meu abraço e certeza da visita regular.

Nidi / Nani disse...

Adorei esse blog!! Parabéns!! Também leciono e atualmente, estou a procura de novas e boas ideias..
Seguirei suas postagens, a partir de hj..

Grande abraço.
Nidiane