domingo, 29 de março de 2009

Música e Poesia: duas artes que se completam


A relação poesia e música sempre me fascinou. Mas sempre me pergunto: o que será mais importante, a poesia ou a música? O que diferencia um poema de uma música é o ritmo. Um poema pode virar música como é o caso de "E agora José?", de Carlos Drumond de Andrade, mas isto não quer dizer que todo poema pode virar música. O próprio Chico Buarque já falou em entrevista que compor é às vezes mais difícil do que fazer poesia, porque precisa procurar palavras que dê o ritmo a música, por exemplo é quase impossível alguém transformar o poema "Tabacaria" de Fernando Pessoa em música. E é um belíssimo poema, considerado um dos mais belo da literatura mundial, mas não tem ritmo musical.
Portanto, nem a poesia é mais importante que a música, nem a música é mais importante que a poesia, mas quando se unem há uma união perfeita.
"Schopenhauer, o filósofo do ‘ideal romântico’ da música,
defende que o mundo da música é o mundo dos sentimentos,
porque representa o que é mais íntimo, mais indizível,
mais misterioso da vontade.
O compositor revela a essência íntima do mundo
numa linguagem que a sua razão não saberia apreender
A música opõem-se aos conceitos, por excesso."

Além de poetas que fazem música e músicos que fazem poesia, encontramos outra forma de casamento entre música e poesia nas releituras musicais de textos da tradição poética. Renato Russo, por exemplo, tinha um grande talento para revitalizar e popularizar poemas antigos em suas canções, como fez com o célebre soneto “Amor é fogo que arde sem se ver” (1595), de Luís Vaz de Camões (1524-1580), considerado o maior poeta da língua portuguesa:

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;
É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Algumas músicas baseadas em poesias:
1-Canteiros, por Fagner. Baseada no poema" Marcha", de Cecília Meireles
2-Hino Nacional, tem uma estrofe da poesia de Gonçalves Dias " Canção do Exílio"
3-"Balada do Esplanada" (baseada em poesia homônima de Oswald de Andrade).
4-FUNERAL DO LAVRADOR ... um trecho do poema Morte e Vida Severina, do João Cabral de Melo Neto... por Chico Buarque.
5- E Agora José? de Carlos Drummond de Andrade, por Paulo Diniz.
6-As composições de Claude Debussy, inspiradas nos poemas de Charles Baudelaire e Paul Verlaine, incluindo o fascinante 3º movimento da Suíte Bergamasque de Debussy, o Claire de Lune, inspirado no poema homônimo de Verlaine.
7- Motivo, de Cecília Meireles ,musicado Fagner.
8- Rosa de Hiroshima, de Vinícius de Moraes e musicado por Gerson Conrad.
9- Canção Amiga de Carlos Drummond de Andrade, musicado por Milton Nascimento.
Há também o Poema Sinfônico que é uma obra de caráter musical baseada em um poema ou texto literário. Em geral, escrito em forma de sinfonia, em um só ato, para ser executada por uma orquestra. O autor procura descrever sentimentos e despertar emoções advindas da obra em que ele se baseia.
Se alguém quiser contribuir para que esta pesquisa melhore, dê sua contribuição, pois sei que existem muitas outras obras poéticas que foram musicadas que não é do meu conhecimento.
Minha amiga cecília, do Cenas de Cinema, comentou sobre o documentário
" Palavra Encantada", dirigido por Helena Solberg, onde investiga a relação peculiar entre a poesia e a música popular no Brasil. A cantora Maria Bethânia não vê uma fronteira tão rígida entre a poesia e as letras de música. Apaixonada pelos versos do português Fernando Pessoa, entre outros, ela não raro declama poemas, e não só dele, em seus CDs e mesmo em shows.Chico Buarque, que dá uma das entrevistas mais longas do filme, rejeita sistematicamente o rótulo de "poeta" que vivem lhe aplicando, por conta da sofisticação de suas letras. No seu entender, ele é mesmo apenas um compositor.
Fiquei muito interessada em assistir a reportagem inteira.



4 comentários:

Cenas de Cinema disse...

Oi, Miriam!

Você já viu o documentário Palavra (En)Cantada?
Falei sobre ele lá no blog.
Tem tudo a ver com o seu post e é uma experiência impagável, maravilhosa!

Beijocas

Ygor Moretti Fiorante disse...

Ah eu fiz dois videos com poemas do drummond, eu narrando hehehe passa la pra ver faz um tempinho mas vc acha no histórico.

Gosto de uma verseão eletronica da do poema josé, muito bom!!!

Suely disse...

Oi, Míriam!!!

O que vale é o encantamento que a obra - poema, música... - provoca em nós!!!

Muito bom teu texto...

Vamos construir - a gurizada do magistério e eu - um blog para compartilhar poesia... Depois te mando o endereço... Por enquanto estamos na fase de planejamento...

Com certeza teu texto estará por lá, num link!!!

Abraços!

Abraços!

Gente Boa disse...

Gostaria de enfatizar a música “Sabiá”, composta por Tom Jobim e Chico Buarque, que se baseou na poesia “Canção do Exílio” de Gonçalves Dias. É genial!
Parabéns pelo blogue.
Renato Ramos