domingo, 10 de agosto de 2008

Retrato de Dorian Gray: O livro mais famoso de Oscar Wilde

Se formos analisar as palavras do sociólogo Comte, de que “todo homem nasce bom e é a sociedade que o corrompe”, temos em Dorian Gray um exemplo perfeito para justificar essa teoria sociológica.O livro de Oscar Wilde é extremamente interessante. Sua história questiona os valores morais, a beleza, o mito da eterna juventude, na estética e nos seus conflitos e desejos. Pelos seus diálogos percebemos questionamentos sobre a vida e nossa atuação nela. Dorian aproxima-se do mito de narciso ou, do mito faustiano onde, em prol dos prazeres mundanos pode-se vender a alma. A obra convida à reflexão sobre os padrões de beleza em cada sociedade, em cada época, envelhecimento X juventude, a procura de novas e prazerosas sensações a qualquer preço, o crime e a punição…
Dorian Gray é o personagem central de uma narrativa extremamente trágica e fantástica. Um jovem de cerca de 20 anos, dono de uma beleza narcizesca, que fascina a todos que o conhecem. Dorian é apresentado a escritos hedonistas, onde a busca do prazer deve ser o objetivo primordial e único de todos os homens; onde as causas, os modos e as formas não têm nenhuma importância, perante o objetivo principal. Dorian, então, é jogado em um mundo escuro, onde pecados são esquecidos apenas quando outros ainda maiores são cometidos. Uma pergunta feita a Dorian em determinado momento da obra, é bastante ilustrativo a respeito disso: “qual o proveito de um homem que ganha o mundo inteiro, mas perde sua própria alma?”. E é isso o que vemos ocorrer com ele. O bem e o mal são sempre discutidos e interpretações distintas são sempre atribuídas a eles. Quando Dorian faz uma boa ação, faz por realmente estar tentando ser bom, ou seria exatamente pelo contrário, e suas atitudes longe de possuir bondade, seriam apenas formas de enaltecer ainda mais seu já enorme ego? Como um toque de Midas ainda mais bizarro, tudo o que ele toca se degrada.
“(…) Dorian não respondeu. Passou distraidamente diante do quadro e virou-se de frente para ele. Quando o viu, recuou e, por momentos, o rosto ruborizou-se-lhe de satisfação. Assomou-lhe aos olhos uma expressão de júbilo, como se se tivessereconhecido pela primeira vez. Continuava imóvel e maravilhado, apercebendo-se vagamente de que Hallward estava a falar com ele, mas sem apreender o significado das palavras. A sensação da sua própria beleza surgiu-lhe como uma revelação. Nunca a sentira antes (...)”
É um livro que nos faz pensar sobre a juventude, o valor da beleza na sociedade, a vaidade e o caráter das pessoas. Vale a pena superar o início lento do livro para chegar ao final, que, claro, não vou contar. Para quem gosta de ver obras literárias nas telas, o livro já foi filmado e pode ser encontrado nas locadoras que possuam obras mais antigas. De vez em quando, também é possível vê-lo nas sessões de madrugada das grandes emissoras. É só ficar atento...
Aqui, a versão de 2004:
Mas eu prefiro a de 1945 por ser mais fiel à obra:

Um comentário:

nemias disse...

até onde podemos acreditar na nossa capacidade, até onde podemos acreditar que a beleza é arma secreta de todas as ações e que podem abrir portas para tudo, ou até onde podemos acreditar que a beleza pode ser eterna?
onde está o nosso tesouro está o nosso coração.
onde colocamos nossos aseios e vaidades é que se deve ser analizada.