sábado, 17 de maio de 2008

Paul Gauguin: Nevermore


Gauguin era um homem de emoções profundas e estava procurando sempre por respostas a suas necessidades espirituais. Usou a pintura para resolver estas perguntas internas e procurou estabelecer um estilo que expressasse a emoção e o sentimento de uma maneira moderna. Nevermore é um trabalho chave, porque expressa inteiramente a finalidade e o estilo de suas pinturas e razões para ser um artista. O retrato é dominado pela nudez e prontamente identificado por uma menina Taitiana. Gauguin não estava interessado na realidade externa da pintura, sua prioridade era a visão interna. O retrato sugere a realidade e também, ao mesmo tempo, nega-a. O espaço do retrato é articulado mais por uma combinação dos painéis decorativos do que por uma ilusão do espaço tridimensional. As figuras e o pássaro no fundo poderiam ser reais, mas poderiam também ser figuras pintadas sobre a uma tela.
Esta ambigüidade é intencional para o alvo de Gauguin era encher o retrato com o mistério. O título desta tela faz alusão ao poema “O Corvo”, de Edgard Alan Poe, autor admirado e cultuado pelos simbolistas. No poema o narrador recebe a visita de um corvo, símbolo do mau agouro, que lhe repete insistentemente a frase “Nevermore” (“Nunca Mais”), como um prenúncio de sua desgraça. Na tela de Gaughin, a predominância do verde, as mulheres conversando e a presença do corvo (no alto, à esquerda), parecem insinuar o infortúnio da jovem no leito. Os olhos da menina estão abertos, mas não nos olha. Se qualquer coisa os olhos e a sua atenção parecer ser girada para as figuras e o pássaro no fundo. São, talvez, simplesmente elementos de sua imaginação? Não há nenhuma resposta e para fazer o contato verdadeiro com o retrato que nós necessitamos deixar o mundo do corte - e - realidade secada e entrar no mundo da metade sugerido, sonho ou realidade e para levar à sensualidade. A transição da realidade ao sonho é também uma linha central na história da vida de Gauguin. Abandonou a realidade da esposa, a família, ele mesmo até a arte, a pobreza e a doença. No Taiti viveu com uma menina taitiana e descreveu as mulheres como possuindo “algo misterioso e penetrante, movem-se com toda delicadeza e graça, desprendendo um cheiro que é uma mistura de odor animal e de gardênia”.
Fonte:

Um comentário:

Rodrigo Azevedo disse...

Que coincidência seu comentário deixado no meu blog, Miriam! Nessa semana que passou estive numa radio local falando justamente deste filme. A pauta foi os dez anos da morte de Frank Sinatra, que ganhou o Oscar de coadjuvante por "A Um Passo da Eternidade". O filme não só tem a mais bela cena de beijo de cinema, como conta com uma das minhas atrizes favoritas do cinema: Deborah Kerr. Bjos e bom fim de semana pra você.