sexta-feira, 11 de abril de 2008

Triste Fim de Policarpo Quaresma


Análise da obra

Triste Fim de Policarpo Quaresma é a obra mais famosa de Lima Barreto e podemos considerá-la uma grande obra literária, condensa em si muitas das características que consagraram seu autor como o melhor de seu tempo. Registra as transformações sociais em uma época de início da República. Mais precisamente o governo de Floriano Peixoto, onde faz duras críticas (1891 - 1894).
Se formos estudar o dialogismo de Bakhtin em Triste Fim de Policarpo Quaresma, veremos muito da pluridiscursividade em vários dos temas abordados, como as variações geográficas, sexualidade, classes sociais, artes, conflitos internos, a valorização da modinha. Por ser um romance polifônico, pois contém as vozes das variadas classes sociais, Lima Barreto utiliza-se de uma infinidade de tipos para mostrar as tensões pela qual passaram esta geração. Quebra conceitos positivistas republicanos como “Ordem e Progresso”, da Bandeira Nacional , quando apresenta o hospício questionando a sanidade e a loucura, a ordem e o silêncio do interior do hospício é um exemplo claro da pluridiscursividade do discurso de Lima Barreto, por isso Policarpo é apresentado ironicamente, no início, mas ao longo da narrativa, vai crescendo e seu idealismo não é completamente rejeitado. Parodiando o nacionalismo ingênuo, fanatizante e xenófobo do romantismo o Major Policarpo Quaresma, apavorado com a descaracterização da cultura e da sociedade brasileira, modelada em valores europeus inicia o que os primeiros modernistas apresentaram: a valorização do nacional e revela uma nova consciência das questões nacionais além de preparar um caminho para os primeiros debates. Marca um divisor entre as obras literárias do século XIX e as do século XX




Se quiser fazer a leitura da obra acesse o link:
http://www.cce.ufsc.br/~nupill/literatura/quaresma.html

3 comentários:

Rodrigo Azevedo disse...

Por algum acaso você já assistiu ao filme? Quem vive Policarpo Quaresma é o ator Paulo José, num excelente momento. Vale a pena dar uma espiada, viu.

Miriam disse...

Tenho este filme na minha coleção pedagógica. Passo para os meus alunos todos os anos e gosto muito da atuação de Paulo José nestas produções de obras literárias para filmes. É muito didático.
O próximo filme que vou trabalhar é Macunaíma e é com Paulo José também também . Vale a pena ver.

Rodrigo Azevedo disse...

Miriam,
Macunaima é um filme dificilimo de encontrar. Ao menos aqui onde moro. Pra você ter uma idéia, apenas uma locadora o tem no acervo. E está sempre locado, acredite. Obrigado pela visita! Vou te linkar lá.