terça-feira, 29 de abril de 2008

Castro Alves : O poeta da Indignação


Estou trabalhando o romantismo nos segundos Anos do ensino médio e meus alunos ficaram encantados quando lhes apresentei os poemas de Castro Alves. Ficaram todos curiosos pela diferença entre o estilo do autor, comparado com os poetas de sua mesma geração. Também ficaram emocionados com a sua causa e todos declamaram com bastante entusiasmo a poesia Navio Negreiro.
O tema da escravidão africana é muito vasto. Iniciar pela exibição do filme Amistad faz com que os alunos, imediatamente entrem na densidade do tema, facilitando demonstrar as injustiças por que passaram aquele povo, até chegar aos dias de hoje. Amistad é um filme estadunidense de 1997, do gênero drama histórico, realizado por Steven Spielberg, e com roteiro escrito por David Franzoni. História remonta ao ano de 1839 e é baseada em factos verídicos que ocorreram a bordo do navio homónimo deste filme. Amistad relata a luta de um grupo de escravos africanos em território americano, desde a sua revolta até ao seu julgamento. Através desta trama de forte conteúdo emocional, é possível conhecer as condições de captura e transporte de escravos africanos para os trabalhos na América do Norte, a máquina jurídica americana de meados do século XIX e o germe das primeiras medidas para a abolição da escravatura naquele território.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Amistad_(filme)
O navio Negreiro
Castro Alves


Senhor Deus dos desgraçados!

Dizei-me vós, Senhor Deus!

Se é loucura... se é verdade

Tanto horror perante os céus?!

Ó mar, por que não apagas

Co'a esponja de tuas vagas

De teu manto este borrão?...

Astros! noites! tempestades!

Rolai das imensidades!

Varrei os mares, tufão!



Quem são estes desgraçados

Que não encontram em vós

Mais que o rir calmo da turba

Que excita a fúria do algoz?

Quem são? Se a estrela se cala,

Se a vaga à pressa resvala

Como um cúmplice fugaz,

Perante a noite confusa...

Dize-o tu, severa Musa,

Musa libérrima, audaz!...



São os filhos do deserto,

Onde a terra esposa a luz.

Onde vive em campo aberto

A tribo dos homens nus...

São os guerreiros ousados

Que com os tigres mosqueados

Combatem na solidão.

Ontem simples, fortes, bravos.

Hoje míseros escravos,

Sem luz, sem ar, sem razão. . .



São mulheres desgraçadas,

Como Agar o foi também.

Que sedentas, alquebradas,

De longe... bem longe vêm...

Trazendo com tíbios passos,

Filhos e algemas nos braços,

N'alma — lágrimas e fel...

Como Agar sofrendo tanto,

Que nem o leite de pranto

Têm que dar para Ismael.
Trailer do filme " Amistad"


5 comentários:

Rodrigo Fernandes disse...

Mirian, fico mutio feliz e esperançoso em saber que ainda existam professores no meio que tenham tanta vontade em dar aula, tanta garra e transmitam isso em sala de aula...
adoraria ter tido uma professora como vc na época do colégio... e que pena que a realidade brasileira não é de leitores ou de professores que estimulam tal ato... culpa do governo mas tbm dos próprios professores que parecem ter 'jogado a tolha' antes da hora...
exemplos como o seu são raros e devem ser sempre estimulados.
Beijos

Miriam disse...

Rodrigo, obrigada, mas acho que todos professores têm tanta vontade quanto eu. A diferença é que tenho alunos maravilhosos. Nossa clientela, aqui em Jandaia é bem diferente do que eu ouço falar.

Cecilia Barroso disse...

O Navio Negreiro,de Castro Alves, é tão forte que chega a doer, não é?
Seus alunos estão muito bem com uma professora como você!
Parabéns!

Pedro Henrique disse...

Na época de ensino fundamental odiava esse tipo de leitura. Hoje vejo quanto fui tolo.

Abraço!

Rodrigo Azevedo disse...

Você havia me perguntando se havia alguma relação entre 'as novas roupas do rei' com 'as novas roupas do imperador'. A resposta é não. O titulo é sim uma referencia a história, mas ele vem do romance em que o roteiro se baseia. Só isso. Um beijo e bom feriado!